localdocrime
Wednesday, February 20, 2019
  O DESAFIO DOS ENIGMAS - edição de 20 de fevereiro de 2019 E OS VENCEDORES SÃO… BÚFALOS ASSOCIADOS E DETETIVE JEREMIAS! Chega hoje ao fim a grande maratona policiária iniciada em maio do ano passado, com a publicação dos resultados das propostas de solução apresentadas ao último enigma do torneio de decifração “Solução à Vista!” e da pontuação atribuída àquele original de Detetive Jeremias no âmbito do concurso de produção “Mãos à Escrita!”, que fecham as respetivas classificações. E, feitas as contas, os vencedores são… Detetive Jeremias como solucionista e Búfalos Associados enquanto produtores! No torneio de decifração, a primeira disputou taco-a-taco a vitória com Daniel Falcão, num animado confronto que originou sucessivas soluções de grande criatividade, bastante imaginativas e pormenorizadas, durante as nove provas, dificultando desta forma o processo de atribuição de pontuação do orientador da secção. A fechar o pódio deste torneio, Bernie Leceiro confirmou o seu excelente momento de forma como solucionista. No caso do concurso de produções, o enigma vencedor (“A Lógica não é uma Batata”, de Búfalos Associados) cedo se distanciou dos seus concorrentes, com uma média de 7,90 pontos atribuída pelos solucionistas e orientador da secção, sendo “incomodado” apenas à oitava jornada pelo enigma de Bernie Leceiro (“O Dia é quem Méno Rock Morreu”), que ficou a uma décima da liderança da competição, relegando para a terceira posição do pódio o enigma (“Contas Desajustadas”) do saudoso confrade Verbatim. Mas vejamos então a solução do enigma que fechou as nossas competições e como ficaram os respetivos quadros classificativos finais: TORNEIO “SOLUÇÃO À VISTA!” Solução da Prova nº. 9 “Fiasco”, de Detetive Jeremias Cada um de nós tem uma forma distinta e muito própria de imaginar o ambiente, os acontecimentos e as pessoas. No entanto existem aspetos ligados aos acontecimentos, mais ou menos relevantes, que constituem uma realidade comum a todos os leitores deste caso. Luísa Lourenço, a mulher cuja casa foi invadida, recebeu bilhetes para um espetáculo facilmente identificável, quando é tomado em consideração a data, o local e a designação de Grande Final. Trata-se do Festival Eurovisão da Canção. É também claro que a oferta dos bilhetes não passou de um esquema de um mariola para deixar a habitação sem ninguém o tempo necessário para procurar o dinheiro resultante do negócio da venda dos pinheiros. As “Reflexões” dos diferentes personagens correspondem aos seus pensamentos íntimos e, por isso mesmo, espelham a verdade. Não há contradições entre os intervenientes, Luísa, a vítima, Lina, a prima e o velho Tripeça que roça as silvas. Todos coincidem nas suas reflexões, até mesmo o insuspeito cão Piloto, cuja conivência foi assegurada com um osso avantajado. Quanto aos dois possíveis suspeitos, identificados como “Personagem E” e “Personagem F” é evidente que o primeiro, apesar do seu passado, não pode ser o culpado porque sabe qual é o local onde Luísa guarda o dinheiro – a lata do café. Por outro lado, o “Personagem F” revela mentalmente o esquema que delineou para poder ficar com o dinheiro da vítima. Na verdade, só a resposta dos exames periciais poderá identificar o culpado, mas se me baseasse nos nomes apostava no Tó Pichelingue para o “Personagem E” e no Nélson Miolos para o “F”. Pontuação e Classificação Final A maioria dos concorrentes do nosso torneio de decifração não teve grandes dificuldades em concluir “quem era quem” no enigma da autoria de Detetive Jeremias e em reconstruir tudo o que se terá passado naquele dia 12 de maio de 2018, mas alguns deles sofreram “escorregadelas” inesperadas e aparatosas. Uns confundiram o cão de Luísa Lourenço (“Olá… Cheira-me a alguém. Ena pá! Grande osso!”) com uma hipotética vizinha desta, o que lhes valeu a perda de dois pontos. E outros esqueceram-se de identificar o evento programado para o Parque das Nações que levou as primas Luísa e Lina a ausentarem-se do lugar conhecido como Casalinho dos Cadimas, o que acabou por custar-lhes um ponto! E entre estes estão alguns dos nossos mais experimentados solucionistas. Tais factos levam-nos a repetir de novo o velho conselho de… leituras atentas dos enigmas, para uma melhor e mais correta interpretação dos seus enunciados. 1º. Detetive Jeremias (84+10): 104 pontos; 2º. Daniel Falcão (84+8): 102 pontos; 3º. Bernie Leceiro (83+13): 96 pontos; 4º. Ariam Semog (81+12): 93 pontos; 5º. Zé de Mafamude (81+9): 90 pontos; 6ºs. Inspetor Mucaba (78+10), Madame Eclética (78+10) e Ma(r)ta Hari (78+10): 88 pontos; 9º. Rigor Mortis (77+9): 86 pontos; 10º. Bigode (74+11): 85 pontos; 11ºs. Chico de Laborim (73+10), Gomes (75+8) e Inspetor Guimarães (73+10): 83 pontos; 14ºs. Carlota Joaquina (72+10), Charadista (72+10) e Pena Cova (72+10): 82 pontos; 17ºs. Beira Rio (71+10), Broa de Avintes (71+10) e Chico da Afurada (72+9): 81 pontos; 20ºs. Arc. Anjo (70+10), Bota Abaixo (70+10) e Inspetor Madeira (71+9): 80 pontos; 23ºs. Abrótea (72+7), Detetive Bruno (69+10), Haka Crimes (70+9), Holmes (71+8), Necas (70+9) e Talismã (70+9): 79 pontos; 29ºs. Martelo (68+10) e Santinho da Ladeira (69+9): 78 pontos; 31ºs. Mascarilha (67+9), Solidário (68+8) e Vitinho (68+8): 76 pontos. CONCURSO “MÃOS À ESCRITA!” As avaliações feitas ao enigma “Fiasco”, de Detetive Jeremias, resultaram numa pontuação média final de 7,40 pontos, que quase o levaram ao pódio. Duas magras décimas remeteram-no para a quarta posição da classificação, à frente de meia dezena de outros problemas policiários de inegável qualidade, que ficaram a menos de um ponto dos lugares cimeiros com direito a prémio. 1º. “A Lógica não é uma Batata”, de Búfalos Associados: 7,90 pontos; 2º. “O Dia em que Méno Rock Morreu”, de Bernie Leceiro: 7,80 pontos; 3º. “Contas Desajustadas”, de Verbatim: 7,40 pontos; 4º. “Fiasco”, de Detetive Jeremias: 7,20 pontos; 5º. “As 3 Poltronas”, de Rigor Mortis: 7,10 pontos; 6º. “Ida ao Teatro”, de Bigode: 7,00 pontos; 7º. “Camarada Tempicos”, de A. Raposo: 6,90 pontos; 8º. “O Enforcamento do Vigilante”, de Daniel Gomes: 6,80 pontos; 9º. “Um Regresso do Outro Lado”, de Abrótea: 6,60 pontos.  
Tuesday, February 05, 2019
  O DESAFIO DOS ENIGMAS - edição de 5 de fevereiro de 2019 NOVOS REGULAMENTOS PARA NOVOS DESAFIOS Quando estamos apenas a uma edição de sabermos os resultados finais das provas em disputa, publicamos hoje os regulamentos das próximas competições (que se aproximam a passos largos). “Mãos à Escrita! – 2019” e “Solução à Vista! – 2019” são as iniciativas em preparação. A primeira é um concurso de produção de enigmas policiários, aberto a todos os que se queiram “aventurar” na escrita deste género de ficção, sem temática definida, tendo apenas como condição o limite máximo da dimensão do enunciado (duas páginas A4, com o tipo de letra Times New Roman, corpo de letra 12 e espaçamento de 1,5 linhas); a segunda iniciativa é um torneio de decifração, composto pelos enigmas apresentados ao concurso supracitado, em que os participantes (também) classificam os produtores. Os respetivos regulamentos aqui estão: “MÃOS À ESCRITA! – 2019” CONCURSO DE PRODUÇÃO DE ENIGMAS POLICIAIS REGULAMENTO 1. O concurso “Mãos à Escrita! - 2019” é aberto a todos, sem condicionalismos de idade; 2. Cada concorrente pode apresentar mais do que um original; 3. Os trabalhos, na modalidade de produção de enigma policiário, em língua portuguesa, deverão conter enunciado e respetiva solução; 4. Os trabalhos deverão ser apresentados em suporte digital, formato A4, com tipo de letra Times New Roman, em corpo 12 e com 1,5 de espaçamento entre linhas; 5. O enunciado do enigma deve ter o máximo de 2 páginas e a solução o máximo de uma página e meia; 6. Os trabalhos, nos moldes atrás descritos, deverão ser enviados para o endereço eletrónico salvadorpereirasantos@hotmail.com, entre 5 de fevereiro e 15 de abril de 2019; 7. A classificação dos enigmas será definida através da média da pontuação atribuída pelos participantes na edição de 2019 do torneio de decifração “Solução à Vista! - 2019” e pelo orientador da secção O Desafio dos Enigmas; 8. Na apresentação das soluções das provas do torneio de decifração acima referido, que decorre paralelamente, os participantes atribuirão aos enigmas entre 5 a 10 pontos (em função da sua originalidade, qualidade e grau de dificuldade), tendo o orientador da secção o mesmo número de pontos para atribuir a cada enigma; 8.1. A atribuição dos pontos é feita da seguinte forma: na apresentação da solução da segunda prova do torneio de decifração, os participantes atribuirão a pontuação da primeira prova; na apresentação da solução da terceira prova, atribuirão a pontuação da segunda prova; e assim sucessivamente; 8.2. A última prova do torneio de decifração “Solução à Vista! - 2019” será da autoria do orientador da secção, não integrando o concurso “Mãos à Escrita! - 2019”; 9. Será vencedor do concurso o enigma que alcançar uma maior pontuação média, sendo distinguidos os restantes enigmas classificados nas primeiras três posições; 10. Serão atribuídos os seguintes prémios: 1º. Lugar – Troféu Pedro Paulo Faria; 2º. Lugar – Taça Nove; 3º. Lugar – Taça Verbatim; 11. Os casos omissos serão resolvidos pelo orientador da secção O Desafio do Enigmas, não havendo recurso das decisões tomadas. “SOLUÇÃO À VISTA! – 2019” TORNEIO DE DECIFRAÇÃO POLICIÁRIA REGULAMENTO 1. O Torneio de Decifração de enigmas policiários “Solução à Vista! - 2019” é aberto a todos os leitores do AUDIÊNCIA Grande Porto e do blogue O Local do Crime, não necessitando de inscrição prévia; 2. O Torneio será constituído pelos enigmas apresentados ao concurso “Mãos à Escrita! - 2019”, que serão publicados mensalmente a partir 5 de maio de 2019; 3. As propostas de solução de cada enigma deverão ser enviadas até ao dia 10 do mês subsequente ao da sua publicação, 3.1. A partir da prova nº. 2, as propostas de solução deverão ser acompanhadas de pontuação atribuída ao enigma que constituiu a prova anterior, à exceção da última prova do torneio (da autoria do orientador da secção O Desafio dos Enigmas); 3.2. As pontuações a atribuir, entre 5 a 10 pontos, terão como objetivo definir a ordenação da tabela classificativa final dos enigmas concorrentes ao concurso de produção “Mãos à Escrita! - 2019”, a decorrer paralelamente; 4. Cada proposta de solução será classificada entre 5 e 10 pontos, correspondendo 5 à simples presença e 10 à solução integral do enigma, sendo as pontuações intermédias definidas de acordo com o grau de resolução; 5. Em cada enigma, das soluções enviadas serão selecionadas, pelo orientador da secção, as três melhores, que somarão mais 3, 2 e 1 pontos; 6. Será vencedor do Torneio o concorrente que no final acumule o maior número de pontos, sendo distinguido com o Troféu “AUDIÊNCIA Grande Porto’ 2019”; 7. Os concorrentes posicionados nos três lugares subsequentes da classificação final serão distinguidos com as Taças “Jartur”, “Zé” e “Daniel Falcão”; 8. Os classificados entre o quinto e o décimo lugar serão distinguidos com medalhas de participação; 9. Os casos omissos serão resolvidos pelo orientador da secção O Desafio do Enigmas, não havendo recurso das decisões tomadas. HOMENAGEM A GRANDES POLICIARISTAS Como os nossos leitores terão notado, o próximo concurso de produção de enigmas policiais presta homenagem a título póstumo ao produtor e solucionista policiário Pedro Paulo Faria, conhecido entre a nossa “tribo” como Nove e Verbatim, pseudónimos que escolheu em diferentes momentos da sua vida para dar asas à sua fértil imaginação na produção e decifração de enigmas, ao mesmo tempo que se assumia também como animador de duas importantes Tertúlias da Grande Lisboa. Por outro lado, o próximo torneio de decifração propõe-se homenagear três grandes policiaristas do norte do país, ainda em atividade e com muito para dar ao policiarismo nacional, nas suas mais diversas vertentes: Jartur (Porto), Zé (Viseu) e Daniel Falcão (Braga). Motivação suplementar para uma grande participação dos nossos “detetives”!  
Sunday, January 20, 2019
  O DESAFIO DOS ENIGMAS - edição de 20 de janeiro de 2019 TUDO EM ABERTO NA FRENTE DA CLASSIFICAÇÃO É hoje conhecida a solução do penúltimo enigma do nosso torneio de decifração, que anima a esperança de alguns “detetives” na obtenção de um lugar de destaque na classificação final, ao mesmo tempo que deixa outros à beira de um ataque de nervos por terem perdido preciosos pontos na reta final da prova. A uns e outros impõe-se agora informar que existirão em breve outras competições onde poderão testar novamente os seus dotes detectivescos, pelo que, caso não consigam alcançar os resultados esperados na prova em disputa, os próximos tempos poderão ser muito mais auspiciosos. Portanto, posto isto, não há nenhuma razão para desanimar. TORNEIO “SOLUÇÃO À VISTA!” Solução da Prova nº. 8 “O Dia em que Méno Rock Morreu”, de Bernie Leceiro Dos três membros de Mingos & Os Samurais apresentados como possíveis noivos, por audição do álbum, apenas Nicolau, o Lau da Viola, poderá ter casado com Zira. Berto Poeta deserta do serviço militar e foge pela fronteira para Amesterdão em março de 1973 – Musica 8 do disco 2 – “O dia em que Méno Rock morreu”. Gastão Santos, o Psicadélico, é casado, como cantado por Rui Veloso – Música 3 do disco 2 – “Psicadélico desesperado” A data do casamento de Zira e Lau da Viola terá sido em 12 de junho de 1973, o dia de aniversário de Zira que era do signo gémeos. O casamento foi católico, na igreja de Santo António no âmbito da cerimónia organizada pelo Diário Popular. Pontuação e Classificação (após a 8ª. Prova) Foram muito poucos (cinco apenas!) os “detetives” que desvendaram com sucesso o nome do membro da banda Mingos & Os Samurais que casou com Zira, madrinha de guerra de Méno Rock, apesar dos esforços colocados na decifração do enigma proposto por Bernie Leceiro. Foi o caso de Inspetor Mucaba e Ma(r)ta Hari, que apontaram como noivo a pessoa errada, tombando assim da quarta posição da tabela classificativa, que é agora ocupada por uma dupla de grandes recursos dedutivos: Airam Semog e Zé de Mafamude. Foi também o caso dos confrades Rigor Mortis e Bigode, que têm agora de premeio na classificação um “detetive” que tem subido gradualmente de rendimento ao longo da competição. E foi igualmente o caso de Daniel Falcão e Detetive Jeremias, que se mantêm na frente da classificação (em igualdade pontual), numa acesa luta de titãs desde a primeira hora, apesar do inesperado percalço nesta etapa, deixando para a última prova do torneio a decisão do vencedor. Já no que respeita à cauda da classificação, regista-se a saída do último lugar do “detetive” Vitinho, que passou a lanterna vermelha ao confrade afuradense Mascarilha, como se pode constatar na tabela que se segue. 1ºs. Daniel Falcão (84+8) e Detetive Jeremias (84+8): 92 pontos; 3º. Bernie Leceiro (73+10): 83 pontos; 4ºs. Ariam Semog (69+12) e Zé de Mafamude (68+13): 81 pontos; 6ºs. Inspetor Mucaba (70+8), Madame Eclética (69+9) e Ma(r)ta Hari (70+8): 78 pontos; 9º. Rigor Mortis (69+8): 77 pontos; 10º. Gomes (64+11): 75 pontos; 11º. Bigode (66+8): 74 pontos; 12ºs. Chico de Laborim (63+10) e Inspetor Guimarães (64+9): 73 pontos; 14ºs. Abrótea (64+8), Carlota Joaquina (64+8), Charadista (64+8), Chico da Afurada (63+9) e Pena Cova (63+9): 72 pontos; 19ºs. Beira Rio (62+9), Broa de Avintes (62+9), Holmes (63+8) e Inspetor Madeira (62+9): 71 pontos; 23ºs. Arc. Anjo (62+8), Bota Abaixo (61+9), Haka Crimes (61+9), Necas (62+8) e Talismã (62+8): 70 pontos; 28ºs. Detetive Bruno (61+8) e Santinho da Ladeira (62+7): 69 pontos; 30ºs. Martelo (60+8), Solidário (61+7) e Vitinho (58+10): 68 pontos; 33º. Mascarilha (60+7): 67 pontos. CONCURSO “MÃOS À ESCRITA!” As avaliações feitas ao enigma “O Dia em que Méno Rock Morreu”, de Bernie Leceiro, concorrente aos prémios em disputa no concurso “Mãos à Escrita!”, resultaram na seguinte pontuação média final: 7,80 pontos. Com este resultado, quanto falta apenas conhecer a pontuação atribuída ao enigma de Detetive Jeremias, que encerra esta competição de escrita de problemas policiários, podemos concluir que apenas os produtores Búfalos Associados e Bernie Leceiro têm garantido um lugar no pódio final da classificação geral da prova, que se encontra assim ordenada: 1º. “A Lógica não é uma Batata”, de Búfalos Associados: 7,90 pontos; 2º. “O Dia em que Méno Rock Morreu”, de Bernie Leceiro: 7,80 pontos; 3º. “Contas Desajustadas”, de Verbatim: 7,40 pontos; 4º. “As 3 Poltronas”, de Rigor Mortis: 7,10 pontos; 5º. “Ida ao Teatro”, de Bigode: 7,00 pontos; 6º. “Camarada Tempicos”, de A. Raposo: 6,90 pontos; 7º. “O Enforcamento do Vigilante”, de Daniel Gomes: 6,80 pontos; 8º. “Um Regresso do Outro Lado”, de Abrótea: 6,60 pontos. ANO NOVO, NOVAS INICIATIVAS Sempre que um novo mês de janeiro se instala no calendário das nossas vidas, é costume dizer-se “Ano Novo, Vida Nova”. E este provérbio popular assenta este mês que nem uma luva à nossa secção, com uma pequena alteração, passando a ler-se “Ano Novo, Novas Iniciativas”. E assim do velho se faz novo. Ou seja, as iniciativas que terminam na próxima edição regressam muito em breve, com o ano novo a distingui-las do ano velho: “Mãos à Escrita! – 2019” e “Solução à Vista! – 2019” são as novidades... E os respetivos regulamentos estão por aí a chegar!  
Saturday, January 05, 2019
  O DESAFIO DOS ENIGMAS - edição de 5 de janeiro de 2019 O ENIGMA QUE DECIDE TUDO É HOJE DESVENDADO É hoje desvendado o enigma que decide tudo! É a partir dele que se ficarão a conhecer os vencedores dos torneios “Solução à Vista!” e “Mãos à Escrita!”, que têm animado a nossa secção desde maio de 2018. É verdade que ainda falta conhecer as soluções e pontuações relativas ao enigma que constitui a prova nº. 8, cujo prazo de envio expira no próximo dia 15, mas sejam quais forem os resultados que venham a ser alcançados tudo se decidirá com o desafio que hoje se publica. É ele que decide quem leva para casa os prémios em disputa nas duas competições! TORNEIO “SOLUÇÃO À VISTA!” Prova nº. 9 “Fiasco”, de Detetive Jeremias 1 – Factos A 12 de Maio de 2018, no lugar conhecido entre nós como casalinho dos Cadimas, foi vandalizada uma habitação isolada durante a ausência temporária da sua proprietária. A GNR foi chamada ao local às 23h57 por Luísa Lourenço, que declarou ter saído por volta 17 horas na companhia de uma prima, para assistir a um espetáculo no Parque das Nações. De regresso, verificaram que a porta de entrada estava aberta e as divisões revolvidas: armários, gavetas e prateleiras com o conteúdo espalhado pelo chão, cama e sofá esventrados. Só o interior da casa foi alvo dos malfeitores. A vítima, que é viúva e vive sozinha, garantiu que os bens mais valiosos − dinheiro e o pouco ouro − estavam a salvo. Não tinha ainda tido tempo de verificar, mas à primeira vista parecia não faltar nada. A pequena habitação é composta por sala, quarto, cozinha e casa de banho. 2 – Reflexões Personagem A: Mas como é que eu caí no conto do vigário? Recebi anteontem pelo correio dois bilhetes para a Grande Final. Vinham com um cartão: “Oferta de Amigos”. Para mim foi melhor do que ter ganho o Euromilhões. Valha-me Deus! Os bilhetes estavam mais do que esgotados e nem nunca me passaria pela cabeça gastar tanto dinheiro. Mas agora, pensando bem, os lugares que nos ofereceram eram dos piores, dos mais baratuchos. É claro que me queriam fora de casa para poder deitar a unha ao dinheiro da venda dos pinheiros. Não é segredo para ninguém a boa maquia que recebi. Nem queria acreditar quando vi a casa naquele estado. Felizmente não descobriram o cordão de ouro e as notas de 200 na lata do café. Personagem B: Deixaram-me aqui com pouco ou nada para me entreter. Fiquei deitado ao sol, todo esticado. Bebi água e depois fui para a sombra, porque fiquei com calor. Lá em baixo anda alguém a cortar silvas com uma roçadora e o barulho está a zoar-me nas orelhas. Já não se pode estar tranquilo. Agora é o chiar da corrente de uma pasteleira. Parou ao portão. Quem vem lá? Olá… Cheira-me a alguém. Ena pá! Grande osso! Personagem C: Coitada da Luisinha. É como uma irmã para mim e a minha melhor amiga. Estava tão feliz por ter concretizado um sonho e acabou o dia daquela maneira. Chegámos seriam umas 11 e meia, ficámos desconfiadas com a porta escancarada e tememos o pior, quando vimos tudo espalhado. A Luisinha ficou branca como a cal e só voltou a ganhar cor quando verificou que não tinham levado o dinheiro. Ligou logo para a guarda. Personagem D: Foi agora de manhã que o prior me contou do assalto lá p’ra casa da Lourença. Bom, ela de nome é Luísa Lourenço, mas todos aqui a conhecemos por Lourença. Ontem à tarde andava por ali perto, a roçar as silvas e “haveriam” de ser umas sete e picos quando vi ir p‘ra casa dela um “gabirú” de bicicleta. Estranhei. A Lourença tinha ido p’ra Lisboa de carro com a prima. Como “Despois” “nã” ouvi o Pirata ladrar e entendi qu’ era alguém conhecido. ‘Tou velho, mas sei o que vi e por isso resolvi vir aqui à guarda. Personagem E: É sempre a mesma tetra. Qualquer roubo nas redondezas e o culpado sou eu. É o azar de ser apanhado e ter ido 9 meses de cana. Agora, quando desaparecem coisas, sejam galinhas ou castiçais de prata o culpado é aqui o “je”. Ando a ver se me endireito, mas a coisa não está fácil. Para roubar a Lourença é só esperar que saia e ir à lata do café. Trabalhei lá nas obras da cozinha e, quando ela me pagou, bem vi onde guardava o guito. Personagem F: Deixa-me cá respirar fundo para ficar calmo e não levantar suspeitas. Afinal não consegui roubar o dinheiro. Raio da Lourença! Ou meteu os euros no banco, ou deu-os a alguém para guardar. Tantas horas perdidas… e nada. Também tinha de sair dali. Elas já deviam estar de volta. De Lisboa até aqui é um pulinho. Tanta coisa e só tive prejuízo: o dinheiro que investi nos bilhetes, no osso e nas luvas. Tanto empenho e planeamento para nada. 3 – Epílogo Carreira era um sargento novato, mas era da terra. Conhecia pessoalmente os envolvidos e tinha ideia do que se passara neste caso. Havia uma vítima, testemunhas com dados importantes − a Lina e o velho Tripeça − e uma luva, com impressões bem definidas no interior, possivelmente usadas pelo infrator. Havia também suspeitos, dois mariolas, conhecidos no meio por Tó Pichelingue e Nélson Miolos. Agora estava na altura de a investigação avançar e de recolher elementos de prova para identificar o culpado. Tivesse o Carreira acesso aos “pensamentos íntimos” dos intervenientes acima registados e tudo seria mais fácil… DESAFIO AO LEITOR … E o leitor, consegue saber “Quem é Quem” e reconstruir o que se poderá ter passado? O que se pede é que o faça através de relatório circunstanciado, a enviar para o orientador da secção, até ao próximo dia 15 de fevereiro, através de um dos seguintes meios: - por correio postal, para AUDIÊNCIA GP / O Desafio dos Enigmas, rua do Mourato, 70-A – 9600-224 Ribeira Seca RG – São Miguel – Açores; - por correio eletrónico, para salvadorpereirasantos@hotmail.com. E, já sabe, não se esqueça de identificar a solução enviada com o seu nome (ou com o pseudónimo adotado), nem de indicar a pontuação que atribui ao enigma proposto pela Detetive Jeremias (entre 5 a 10 pontos, em função da sua originalidade, qualidade e grau de dificuldade). Recordamos mais uma vez que o vencedor do concurso de produção de enigmas policiários “Mãos à Escrita!” será encontrado através da pontuação média atribuída pelos participantes do torneio de decifração “Solução à Vista!” e pelo orientador desta secção.  
Thursday, December 20, 2018
  O DESAFIO DOS ENIGMAS - edição de 20 de dezembro de 2018 DANIEL FALCÃO E DETETIVE JEREMIAS REFORÇAM LIDERANÇA Daniel Falcão e Detetive Jeremias, campeões nacionais na vertente de decifração da modalidade em anos recentes, reforçam a sua liderança na classificação do torneio “Solução à Vista!”, agora com a mesma pontuação, quando faltam apenas duas provas para o final da competição. Por outro lado, no caso do torneio de produção policiária “Mãos à Escrita”, a dupla Búfalos Associados mantém a liderança da classificação, garantindo assim e desde já um lugar no pódio final, podendo neste momento apenas ser destronada por Bernie Leceiro e Detetive Jeremias, autores dos dois últimos enigmas. A este propósito, recordamos que o prazo de envio das propostas de solução ao problema do confrade de Leça da Palmeira expira no dia 15 de janeiro e que o enigma da detetive de Santarém será conhecido no dia 5 do primeiro mês do ano que se aproxima. Posto isto, e antes de passar à divulgação da solução da prova nº. 7 e do escalonamento das classificações atuais, aproveitamos o ensejo para desejar aos leitores do jornal Audiência GP e, em particular, aos nossos “detetives” um Feliz Natal e um Excelente Ano Novo. TORNEIO “SOLUÇÃO À VISTA!” Solução da Prova nº. 7 “Ida ao Teatro”, de Bigode A ação passa-se em 1991. Erro nº1 – a revista “Passa por mim no Rossio” esteve em exibição no Teatro Nacional D. Maria II, e não no Politeama. (https://pt.wikipedia.org/wiki/Filipe_La_Féria: Em 1990, escreve e encena “What happened to Madalena Iglésias” e aceita o convite para apresentar a peça da sua autoria “Passa por Mim no Rossio”, no Teatro Nacional D. Maria II. De seguida encena “As Fúrias”, de Agustina Bessa-Luís, também na D. Maria II. Em Bruxelas, dirige o espetáculo inaugural da Europália (1991), e em Sevilha o Dia de Portugal na Expo 92). Erro nº 2 – Ayrton Sena sagrou-se tricampeão de fórmula 1, e não bicampeão. Erro nº 3 – Tricampeão no dia 20 que foi um domingo, e não sábado. (https://pt.wikipedia.org/wiki/Temporada_de_Fórmula_1_de_1991: Temporada de Fórmula 1 de 1991. A Temporada de Fórmula 1 de 1991 foi a 42ª. realizada pela FIA, decorrendo entre 10 de Março e 3 de Novembro de 1991, com dezasseis corridas. Teve como campeão o brasileiro Ayrton Senna, da equipa McLaren, sendo vice-campeão o britânico Nigel Mansell, da Williams. Marcou a despedida do tricampeão Nelson Piquet e a estreia do jovem Michael Schumacher). (https://pt.wikipedia.org/wiki/1991: 20 de Outubro - Ayrton Senna é Tricampeão na Fórmula 1. 30 de junho - Portugal tornou-se bicampeã do Campeonato Mundial de Futebol Juniores ao vencer o Brasil nas cobranças de penalidades pelo placar de 4 a 2, já que terminou empatado no tempo normal e também na prorrogação em 0 a 0). Erro nº 4 – O livro “As Palavras” é de Jean-Paul Sartre e não do Nobel desse ano, Nadine Gordimer. Pontuação e Classificação (após a 7ª. Prova) As quatro mentiras constantes da história de "amor" à primeira vista vivida por Beltrão e Maria, que começa na carruagem do comboio e acaba no quarto de um hotel, foram detetadas com facilidade pela maioria dos concorrentes mais experimentados, provocando contudo alguns dissabores aos menos atentos, como se pode constatar na tabela classificativa que se segue: 1ºs. Daniel Falcão (72+12) e Detetive Jeremias (71+13): 84 pontos; 3º. Bernie Leceiro (62+11): 73 pontos; 4ºs. Inspetor Mucaba (60+10) e Ma(r)ta Hari (60+10): 70 pontos; 6ºs. Ariam Semog (59+10), Madame Eclética (60+9) e Rigor Mortis (59+10): 69 pontos; 9º. Zé de Mafamude (58+10): 68 pontos; 10º. Bigode (56+10): 66 pontos; 11ºs. Abrótea (55+9), Carlota Joaquina (55+9), Charadista (54+10), Gomes (55+9), Inspetor Guimarães (55+9): 64 pontos; 16ºs. Chico da Afurada (54+9), Chico de Laborim (53+10), Holmes (54+9) e Pena Cova (54+9): 63 pontos; 20ºs. Arc. Anjo (53+9), Beira Rio (53+9), Broa de Avintes (53+9), Necas (54+8), Inspetor Madeira (53+9), Santinho da Ladeira (53+9) e Talismã (53+9): 62 pontos; 27ºs. Bota Abaixo (52+9), Detetive Bruno (52+9), Haka Crimes (52+9) e Solidário (53+8): 61 pontos; 31ºs. Martelo (51+9) e Mascarilha (51+9): 60 pontos; 33º. Vitinho (49+9): 58 pontos. TORNEIO “MÃOS À ESCRITA!” As avaliações feitas pelos 33 solucionistas e pelo orientador da secção ao enigma “Ida ao Teatro”, de Bigode, concorrente aos prémios em disputa no torneio de produção policiária “Mãos à Escrita!”, resultaram na seguinte pontuação média final: 7,00 pontos. Com esta pontuação, o confrade escalabitano junta-se ao lote de concorrentes que já não têm hipótese de ocupar lugar no pódio na classificação final desta competição. Entre eles estão os produtores A. Raposo, Daniel Gomes e Abrótea, que apresentaram a concurso enigmas de qualidade, mas que, por algumas décimas pontuais, estão definitivamente afastados dos lugares com direito a prémio. O que pode ser uma injustiça! Na verdade, como diz um dos nossos concorrentes (solucionista e produtor), “as pontuações atribuídas poderão não ser realmente justas”, já que a “pontuação consistente dos problemas apresentados deveriam ter em atenção também as soluções propostas pelos autores”. Por essa razão, propomo-nos fazer algumas mudanças no processo de atribuição da pontuação dos problemas a concurso no futuro. Mas vejamos como se encontra ordenada a classificação atual: 1º. “A Lógica não é uma Batata”, de Búfalos Associados: 7,90; 2º. “Contas Desajustadas”, de Verbatim: 7,40 pontos; 3º. “As 3 Poltronas”, de Rigor Mortis: 7,10 pontos; 4º. “Ida ao Teatro”, de Bigode: 7,00 pontos; 5º. “Camarada Tempicos”, de A. Raposo: 6,90 pontos; 6º. “O Enforcamento do Vigilante”, de Daniel Gomes: 6,80 pontos; 7º. “Um Regresso do Outro Lado”, de Abrótea: 6,60 pontos.  
Wednesday, December 05, 2018
  O DESAFIO DOS ENIGMAS - edição de 5 de dezembro de 2018 COM O NATAL NO HORIZONTE, O POLICIÁRIO NÃO PÁRA Com a proximidade de mais um Natal no horizonte, as nossas atenções centram-se na preparação das festividades, na compra de presentes para os amigos e familiares, na montagem do presépio e da árvore de natal e na organização da noite da consoada, onde reunimos os membros do núcleo central da nossa família para um momento de convívio e de partilha de emoções único. Mas no meio de toda esta azáfama, haverá ainda tempo para dedicar à decifração de mais uma prova do torneio de decifração “Solução à Vista!”, da autoria do confrade Bernie Leceiro, que nos convoca para a audição de um dos discos mais importantes da história do rock português, da dupla Rui Veloso e Carlos Tê, que se debruça sobre a forma dura como nos é apresentada a vida durante a fase da adolescência. Este álbum histórico, que integra canções como “Não Há Estrelas no Céu”, “O Prometido é Devido”, “Baile da Paróquia”, “Mago do Bilhar” ou “A Paixão (Segundo Nicolau da Viola)”, entre outras, nas quais são abordados temas como a política ou a critica à globalização do rock, pode ser facilmente repescado do youtube. TORNEIO “SOLUÇÃO À VISTA!” Prova nº. 8 “O Dia em que Méno Rock Morreu”, de Bernie Leceiro Esta é a estória de lenhas e lumes, de nomes e lugares comuns. É a estória banal de Mingos & os Samurais, banda de reconhecido insucesso, que se arrastou sem glória – mas com alegria e sedução – por diversos palcos durante os primórdios dos anos setenta, animando recintos dançantes. Esta é a estória imortalizada em disco por Rui Veloso e Carlos Tê no início dos anos 90. Esta é a estória que se tornou uma lenda mas da qual nunca foi conhecido o verdadeiro epilogo. Arménio Marmita, imortalizado como Méno Rock vocalista de Mingos & os Samurais, um famoso bilharista da Areosa, estucador de profissão, foi incorporado no regimento de atiradores de Tavira. No fim do Inverno de 1972 recebeu guia de marcha para Moçambique. Reza a lenda que morreu em missão, perto do quartel, quando a mina rebentou. Vinha em pé na Berliet com a G3 em forma de guitarra a cantar Satisfaction dos Rolling Stones. Nunca se soube ao certo se foi assim. No velório de corpo ausente em casa dos pais de Méno Rock, descobre-se afinal que Méno é casado com uma moça de Águas Santas, legítima viúva e da qual até tem um filho. Zira sua madrinha de guerra fica destroçada. Lau, guitarrista da banda e amigo de ambos, convence-a que não importa a legalidade das uniões, porque Zira é que foi a eleita. Zira fica muito triste pois Méno Rock tinha-lhe prometido ir a Lisboa no dia dos seus anos e afinal o prometido é devido… De promessas quebradas percebe Lau. Anos antes Berto convence Lau da Viola que estava em curso uma cruzada universal contra a música foleira. Lau tenta converter Mila que só gosta de Fernando Farinha e Roberto Carlos. Leva-a ao Rivoli ver os Vinegar Joe de Elkie Brooks, Mila vem embora por causa do barulho. Algum tempo antes Nicolau, troca toda a coleção de Mundo de Aventuras, por uma viola empenada, tudo para conquistar a sua amada Mila. Falta ao emprego numa drogaria e perde o Portugal-Coreia em direto no Mundial de 66. Tudo por uma visão mais ousada da sua musa. Mila falta ao prometido e deixa Lau destroçado. Quero ser um marinheiro sulcar o azul do mar/Vaguear de porto em porto até um dia me cansar/Quero ser um saltimbanco, saber truques e cantigas/Ser um dos que sobe ao palco e encanta as raparigas. Assim respondeu Berto quando a professora o mandou fazer uma redação sobre o que queria ser quando fosse grande. Berto não sabia dançar, dedicava-se ao culto das paixões secretas e inevitavelmente ao culto das poesias. Tinha por hábito escrever poemas românticos ás suas paixões, das quais Zira não estaria excluída, que contrastavam com os aerogramas militares cheios de erros de ortografia de Méno. Ficou batizado de Berto Poeta e escrevia as letras da banda. Gastão Santos, fuzileiro regressado do Ultramar, melómano sem emenda, andava perturbado pelos gases de guerra e pelas águas de África. É o empresário de Mingos & os Samurais e fica conhecido por Gastão Psicadélico. Gastão era famoso por ser o rei do twist e da sedução. Terá sussurrado várias vezes ao ouvido de Zira algumas das letras das músicas com quem calorosamente dançava. Conta-se na cidade que Zira finalmente cumpriu o seu sonho e casou no dia dos seus anos, na igreja de Santo António na última das cerimónias patrocinada pelo Diário Popular, antes do interregno provocado pela revolução dos cravos, tendo dado a morada de uma prima afastada casada em Lisboa com um funcionário da Carris. Zira casou com um dos membros dos Samurais, no entanto perdeu-se na memória popular qual foi o privilegiado, Berto Poeta, Lau da Viola ou Gastão Psicadélico. Poderá o leitor reviver o prazer de ouvir esta obra de referência da música portuguesa dos anos 90 e ajudar a clarificar de vez quem poderá ter casado com Zira? DESAFIO AO LEITOR O que se pede é que o leitor dê resposta à questão suscitada pelo autor do enigma, justificando de forma pormenorizada o seu raciocínio, através de relatório a enviar para o orientador da secção, até ao próximo dia 15 de janeiro, por um dos seguintes meios: - por correio postal, para AUDIÊNCIA GP / O Desafio dos Enigmas, rua do Mourato, 70-A – 9600-224 Ribeira Seca RG – São Miguel – Açores; - por correio eletrónico, para salvadorpereirasantos@hotmail.com. E, já sabe, não se esqueça de identificar a solução enviada com o seu nome (ou com o pseudónimo adotado), nem de indicar a pontuação que atribui ao enigma proposto pelo confrade Bernie Leceiro (entre 5 a 10 pontos, em função da sua originalidade, qualidade e grau de dificuldade). Recordamos mais uma vez que o vencedor do concurso de produção de enigmas policiários “Mãos à Escrita!” será encontrado através da pontuação média atribuída pelos participantes do torneio de decifração “Solução à Vista!” e pelo orientador desta secção.  
Tuesday, November 20, 2018
  O DESAFIO DOS ENIGMAS - edição de 20 de novembro de 2018 ALGUMAS ESCORREGADELAS ENTRE OS MELHORES Nesta edição começamos por desvendar as mentiras constantes do enigma da Prova nº. 6 do torneio de decifração “Solução à Vista!”, de autoria do confrade Abrótea, que provocaram algumas alterações nos dez primeiros lugares da classificação geral. E, a fechar, publicamos a segunda parte (e conclusão) do conto “O Aluguer”, do mesmo autor, iniciado na passada edição. TORNEIO “SOLUÇÃO À VISTA!” Solução da Prova nº. 6 “Um Regresso do Outro Lado”, de Abrótea A primeira mentira de meu Pai: aeroporto da Portela na altura, hoje Humberto Delgado [e não aeroporto Francisco Sá Carneiro]. [As mentiras de Sir Aldra:] - Angola fica no polo Sul, logo a estrela guia é CRUZEIRO do SUL; - Lourenço Marques, hoje Maputo, é capital de Moçambique [e não capital de Angola]; - LUA NOVA não tem luar, escuridão; - Mata do MAIOMBE, tem o mato cerrado, nem as estrelas se conseguem ver. Atenção: Angola fica no hemisfério Sul. A parte norte do país tem latitudes sempre superiores a 5ºS, o que em teoria permite observar, ao nível do mar, estrelas do hemisfério Norte com declinações até aos 85º. Mais a sul, conseguem-se observar estrelas com declinações máximas inferiores a este valor. A estrela polar tem uma declinação de aproximadamente 89º, pelo que não será visível de Angola. No entanto, parte das estrelas da Ursa Menor podem ser observadas em certas épocas do ano, o que permite adivinhar a posição da Polaris. Pontuação e Classificação (após a 6ª. Prova) A “caça às mentiras” do problema do confrade Abrótea trouxe dissabores a “detetives” que têm ocupado os dez primeiros lugares da classificação geral desde a prova inicial, cedendo agora terreno aos seus mais diretos opositores. Foi o caso de Inspetor Mucaba, Madame Eclética e Zé de Mafamude, que perderam dois preciosos pontos num enigma aparentemente acessível. 1º. Daniel Falcão (59+13): 72 pontos; 2º. Detetive Jeremias (59+12): 71 pontos; 3º. Bernie Leceiro (52+10): 62 pontos; 4ºs. Inspetor Mucaba (52+8), Madame Eclética (52+8) e Ma(r)ta Hari (50+10): 60 pontos; 7ºs. Ariam Semog (49+10) e Rigor Mortis (48+11): 59 pontos 9º. Zé de Mafamude (50+8): 58 pontos; 10º. Bigode (46+10): 56 pontos; 11ºs. Abrótea (45+10), Carlota Joaquina (45+10), Gomes (45+10), Inspetor Guimarães (45+10): 55 pontos; 15ºs. Charadista (44+10), Chico da Afurada (45+9), Holmes (44+10), Necas (45+9) e Pena Cova (45+9): 54 pontos; 20ºs. Arc. Anjo (43+10), Beira Rio (44+9), Broa de Avintes (44+9), Chico de Laborim (44+9), Inspetor Madeira (45+8), Santinho da Ladeira (44+9), Solidário (45+8) e Talismã (45+8): 53 pontos; 28ºs. Bota Abaixo (43+9), Detetive Bruno (44+8) e Haka Crimes (43+9): 52 pontos; 31ºs. Martelo (43+8) e Mascarilha (42+9): 51 pontos; 33º. Vitinho (40+9): 49 pontos. TORNEIO “MÃOS À ESCRITA!” As avaliações feitas pelos solucionistas e pelo orientador da secção ao enigma “Um Regresso do Outro Lado”, de Abrótea, concorrente aos prémios em disputa no torneio de produção policiária “Mãos à Escrita!”, resultaram na seguinte pontuação média final: 6,60 pontos. Com esta pontuação, o confrade Abrótea ocupa o lugar de lanterna vermelha na classificação geral do torneio, que se encontra assim ordenada: 1º. “A Lógica não é uma Batata”, de Búfalos Associados: 7,90; 2º. “Contas Desajustadas”, de Verbatim: 7,40 pontos; 3º. “As 3 Poltronas”, de Rigor Mortis: 7,10 pontos; 4º. “Camarada Tempicos”, de A. Raposo: 6,90 pontos; 5º. “O Enforcamento do Vigilante”, de Daniel Gomes: 6,80 pontos; 6º. “Um Regresso do Outro Lado”, de Abrótea: 6,60 pontos. “O Aluguer”, conto de Abrótea II – Parte (conclusão) Com tanta gente lá dentro até fiquei assustado, quase que apetecia dar meia volta e… ouvi chamar o meu nome, aguentei-me à bronca. Uma menina, seio farto, maior que uma elefanta, (ainda mais vontade de fugir tive) foi essa mesmo que tinha chamado, gritado o meu nome, empurrou-me para dentro do escritório onde em cima da secretária amontoavam-se folhas, resmas de folhas. Também já tinha comigo todos os documentos pedidos, menos dois. Entreguei recibos de vencimento, fotocópias do CU, ai, desculpem cartão de cidadão, NIB e NIF, faltava água e luz, mas isso o sogro pagava, não podia entregar. Para mim a “Ursa” já me assustava e com tudo isto ainda mais, até parecia estar em qualquer repartição de finanças, num banco, ou num assalto… aos bolsos meus!!! A “Baleia” começa a debitar palavras, e a mostrar o contrato, como não tinha as lentes de contacto, nem os contactos no velho “telelé”, nem sequer as lunetas, pedi-lhe para traduzir tudo por miúdos. Parecia aquelas velhas “IBM” a debitar letras: ponto 1- isto é um velho T0 e a renda é de 375 euro mês; ponto 2 - obrigatório pagar três meses de renda; ponto 3 - fico com as fotocópias dos seus documentos (caraças, a “Javali fêmea” tinha fotocopiadora); ponto 4 - o doutor Leve Twitter, que é o dono, irá analisar todos estes documentos, não só o seu como deve verificar. Terminou com isto por agora é tudo, e é o que se pode arranjar, depois ”telofone-me”. Estava quase a pensar alto, mas parei, uma bolachada daquela Fera mandava-me janela fora ao outro lado da rua. Só pedi, quando tiver alguma notícia telefone-me a senhora, tenho de trocar o cartão, os sogros não gostam de mim e este ainda tem os números… Dois dias passados e recebo uma chamada da “T-Rex”, falei o que antes tinha dito, apenas depois do meu horário laboral. Sim senhor pode vir, temos notícias. Eu esfregava as mãos de contente, afinal já não ia para debaixo da ponte. Chegado ao escritório, desta vez nem esperei muito, estava vazio, vazio não, a “Godzilla” estava lá. Cumprimentei a “Dona” educadamente e estendi a mão para receber a chave. Sente-se – falou ela com aquele vozeirão que acordava um quarteirão inteiro – o doutor analisou os seus documentos, e como ele é um homem bom, até tem pena de si tendo em conta o seu vencimento… Já estava com vontade de dar saltos, vocês sabem como é, mas dançar a (à) lambada com aquilo nunca na vida, eu é que perdia a minha. Relaxei e naquela calma que prenuncia algo nunca bom, pedi: pode continuar minha boa senhora. O senhor doutor gosta mesmo de si, o senhor trabalha, sabe o que faz no seu emprego, mas se pagar os três meses como o senhor vai comer? Foi o fósforo em cima da gasolina, muito calmo e ainda sentado, com o contrato perto de mim, agarrei-o e rasguei e só então disse: diga ao seu chefe que durante o dia eu trabalho, nas HORAS LIVRES ASSALTO VELHOS COMO ELE, E MULTIBANCOS!  
enigmas e contos policiais

ARCHIVES
07/01/2003 - 08/01/2003 / 08/01/2003 - 09/01/2003 / 09/01/2003 - 10/01/2003 / 10/01/2003 - 11/01/2003 / 11/01/2003 - 12/01/2003 / 12/01/2003 - 01/01/2004 / 01/01/2004 - 02/01/2004 / 02/01/2004 - 03/01/2004 / 03/01/2004 - 04/01/2004 / 04/01/2004 - 05/01/2004 / 05/01/2004 - 06/01/2004 / 06/01/2004 - 07/01/2004 / 07/01/2004 - 08/01/2004 / 09/01/2004 - 10/01/2004 / 10/01/2004 - 11/01/2004 / 11/01/2004 - 12/01/2004 / 12/01/2004 - 01/01/2005 / 01/01/2005 - 02/01/2005 / 02/01/2005 - 03/01/2005 / 03/01/2005 - 04/01/2005 / 04/01/2005 - 05/01/2005 / 05/01/2005 - 06/01/2005 / 02/01/2007 - 03/01/2007 / 04/01/2007 - 05/01/2007 / 07/01/2007 - 08/01/2007 / 09/01/2007 - 10/01/2007 / 10/01/2007 - 11/01/2007 / 12/01/2007 - 01/01/2008 / 04/01/2008 - 05/01/2008 / 05/01/2008 - 06/01/2008 / 06/01/2008 - 07/01/2008 / 09/01/2008 - 10/01/2008 / 01/01/2009 - 02/01/2009 / 02/01/2009 - 03/01/2009 / 05/01/2009 - 06/01/2009 / 11/01/2016 - 12/01/2016 / 12/01/2016 - 01/01/2017 / 01/01/2017 - 02/01/2017 / 02/01/2017 - 03/01/2017 / 03/01/2017 - 04/01/2017 / 04/01/2017 - 05/01/2017 / 05/01/2017 - 06/01/2017 / 06/01/2017 - 07/01/2017 / 07/01/2017 - 08/01/2017 / 08/01/2017 - 09/01/2017 / 09/01/2017 - 10/01/2017 / 10/01/2017 - 11/01/2017 / 11/01/2017 - 12/01/2017 / 12/01/2017 - 01/01/2018 / 01/01/2018 - 02/01/2018 / 02/01/2018 - 03/01/2018 / 03/01/2018 - 04/01/2018 / 04/01/2018 - 05/01/2018 / 05/01/2018 - 06/01/2018 / 06/01/2018 - 07/01/2018 / 07/01/2018 - 08/01/2018 / 08/01/2018 - 09/01/2018 / 09/01/2018 - 10/01/2018 / 10/01/2018 - 11/01/2018 / 11/01/2018 - 12/01/2018 / 12/01/2018 - 01/01/2019 / 01/01/2019 - 02/01/2019 / 02/01/2019 - 03/01/2019 /


Powered by Blogger